Meu funcionário sofreu um acidente de trabalho. Como proceder?

Helenice Corbucci Blog Deixe seu comentário  

Acidente de trabalho

No post anterior, procuramos esclarecer algumas dúvidas comuns para empregadores e empregados a respeito de acidentes de trabalho. Neste artigo, falaremos sobre os procedimentos caso algum funcionário de sua empresa sofra um acidente de trabalho. Os acidentes de trabalho são classificados como: típico, de trajeto e doença ocupacional.

 – Acidentes de trabalho típicos: são os que ocorrem pelo exercício do trabalho, como por exemplo, um marceneiro que sofre uma lesão enquanto serra uma tábua.

– Acidentes de trabalho de trajeto: são aqueles que podem ocorrer no trajeto entre a casa do funcionário até o local de trabalho e vice versa.

– Acidentes de trabalho tidos como doença ocupacional: são aqueles que estão diretamente relacionados à atividade desempenhada pelo trabalhador ou às condições de trabalho às quais ele está submetido, como por exemplo, adquirir deficiência auditiva pelo barulho ou tendinite por digitar muito.

Dados do Ministério da Previdência Social mostram que acidentes de trabalho estão aumentando a cada ano. Os acidentes de trabalho típicos em 2010 somavam 35.995 casos registrados, contra 36.256 casos registrados em 2011. Os números relativos aos acidentes de trabalho de trajeto somavam 12.399 casos registrados em 2010 e 12.423 casos registrados em 2011. Os acidentes de trabalho que caracterizam doença de trabalho, em 2010 foram 1.720 casos registrados e 1.645 casos registrados em 2011.

Mas o que fazer caso algum funcionário de sua empresa sofra um acidente de trabalho?

O primeiro passo é procurar um médico e avisar a empresa do ocorrido (caso a vítima esteja impossibilitada, a pessoa que a socorreu pode fazer o aviso). Caso a empresa tenha médico, deve procurá-lo. Caso contrário, o funcionário deve ir ao hospital que convier (o mais próximo, o do convênio, etc).

Assim que for notificada do acidente, cabe à empresa comunicá-lo à Previdência Social por meio de formulário específico para este fim – o CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho).
Após avaliação medica, este poderá encaminhar o funcionário para suas atividades habituais ou afastá-lo.

Caso exista a necessidade de afastamento, convém o médico do trabalho desta empresa acompanhar o tratamento e tentar reduzir ao mínimo este período, pois se ele ficar afastado por mais de quinze dias, terá estabilidade no emprego por 12 (doze) meses a contar da data de seu retorno ao trabalho.

Todos os contribuintes da Previdência Social são cobertos pelo auxílio acidente sendo eles empregados registrados, empregados rurais, domésticos e autônomos.

Como já mencionamos em outros artigos, é dever da empresa fornecer aos seus funcionários um ambiente de trabalho seguro e em condições adequadas para que todos possam exercer suas tarefas da melhor maneira possível. A Clínica Corbucci é a ótima parceira para que você, empregador, possa identificar, isolar e eliminar os riscos de acidentes em sua empresa.

Leia também:  A importância do uso de EPI – Equipamento de Proteção Individual | Dicas e orientações sobre trabalho em altura

Deixe seu Comentário