PPR Archives - Clínica Corbucci | Clínica Corbucci

eSocial e a Segurança e Medicina do Trabalho


Para falarmos do eSocial, inicialmente temos que conhecer informações sobre: - O que é o e Social? - O que irá abranger suas informações? - Onde entram as informações de Segurança e Medicina do Trabalho? O projeto eSocial é uma Leia mais

A Importância dos Exames Periódicos Ocupacionais


Você sabe qual é a real importância dos exames periódicos ocupacionais? Sim, é muito importante mantê-los em dia, entenda o por quê. Todo trabalhador deve submeter-se aos exames médicos ocupacionais, sendo estes obrigatórios na admissão, na demissão e periodicamente, sendo facultativos Leia mais

A importância de realizar o Exame Demissional


Pelo exame demissional, compreendido pelos exames laboratoriais e clínicos, realizados por ocasião do desligamento do funcionário, é que se pode garantir que o funcionário não agravou ou adquiriu doenças durante o período em que trabalhou na empresa. Sendo assim, é importante que os exames Leia mais

O que é PPR?

Helenice Corbucci Blog, PPR 1 Comente

O que é PPR?A sigla PPR significa Programa de Proteção Respiratória. É um conjunto de medidas práticas e administrativas que devem ser adotadas por todas as empresas nas quais for necessário o uso de Equipamento de Proteção Respiratória – EPR. É obrigatório desde 15 de agosto de 1994, por meio da Instrução Normativa nº 1, de 11/04/94, do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE.

O objetivo do PPR é assegurar proteção a todos que realizarão trabalhos expostos a poeiras, fumos, névoas, fumaças, gases e vapores procurando assim eliminar ou minimizar a contaminação do ar no local de trabalho. Isto deve ser alcançado, quando possível, por medidas de proteção coletiva.

O PPR é elaborado após análise do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA e deve ser renovado anualmente e sempre que ocorrerem mudanças no ambiente de trabalho, para garantir um ambiente saudável aos funcionários.

O empregador deve delegar a uma pessoa a responsabilidade e a autoridade pelo programa de uso de respiradores. A implantação do PPR inclui a redação dos procedimentos operacionais que regulam o uso dos equipamentos de proteção (assim como a disposição desse texto para os trabalhadores), o monitoramento dos riscos respiratórios, a atualização dos registros e a realização da avaliação do PPR. Para assumir as responsabilidades da administração do programa, a pessoa deve ter conhecimentos de proteção respiratória, bem como conhecer e estar atualizada no que se refere às publicações e aos regulamentos legais vigentes.

O PPR define, dentre outras rotinas, o Equipamento de Proteção Respiratória – EPR adequado, o seu modo correto de uso, as limitações da proteção, a manutenção e guarda do equipamento e o monitoramento do uso do EPR. Além disso, deve definir o treinamento em proteção respiratória dos usuários de EPR e deve efetuar o monitoramento do risco de inalação de contaminantes no ar.

Um pouco da história de proteção respiratória.

É sabido que, pelo menos desde antes de Cristo, trabalhadores expostos a um ar de qualidade ruim tomavam medidas para evitar problemas de saúde. Nessa época, usavam inclusive bexiga de animais para “purificarem” o ar que respiravam. Também procuravam colocar um pano úmido no rosto para reter a contaminação. Com a Revolução Industrial, sobretudo com a mineração e com outras atividades que apresentavam problemas significativos para a saúde respiratória, medidas mais complexas passaram a ser tomadas, e então máscaras de proteção passaram a ser desenvolvidas a partir de estudos e conhecimentos químicos e fisiológicos. As duas guerras mundiais do séc. XX também impulsionaram o desenvolvimento de máscaras de proteção contra um ar contaminado por gases tóxicos. Apesar de tudo isso, até bem pouco tempo atrás muitos trabalhadores adoeciam e alguns chegaram a morrer por causa da falta de proteção respiratória contra um ambiente de trabalho insalubre. Isso porque, apesar do desenvolvimento de técnicas e equipamentos de proteção datarem de mais de 2 mil anos, tanto os trabalhadores quanto os empregadores desconheciam os problemas de contaminação de seus ambientes de trabalho e desprezavam o uso da proteção adequada. Vocês devem se lembrar do caso, divulgado pela mídia por volta de 1993, de trabalhadores de São Paulo que apresentaram problemas respiratórios devido a inalação de asbesto e sílica. Atualmente, empregados, empregadores e a sociedade civil contam com o PPR, que é fruto de um estudo desenvolvido em parceria com alguns órgãos do governo e uma comissão de técnicos. Por meio dele, é possível evitar aquilo que desde a Grécia e a Roma antigas já se buscava, sem, no entanto, muito sucesso: a preservação da saúde respiratória do trabalhador!

A implantação e implementação do PPR salva vidas!